desenvolvimento cognitivo

Coisas do João Pestana

Este texto está quente.

Não por causa do João Pestana (que até deve bem ser giro), mas porque foi ateado por uma proposta feita a um grupo de pais, numa reunião na escola, para que se começasse a treinar os miúdos de 4 anos para deixarem de dormir a sesta.

Treinar para deixar de dormir??? Só a ideia me causa prurido.

Mas porque raio se treina alguém para largar um hábito que só traz vantagens, do ponto de vista do desenvolvimento físico e cognitivo? Vantagens essas, mais do que comprovadas cientificamente?

Mas porque será, que a dois anos da entrada no primeiro ciclo, estamos já preocupados com a adaptação dos meninos, baseados na ideia ridícula de que se não deixarem rapidamente de tirar uma soneca a seguir ao almoço, verão o seu desempenho gravemente comprometido no futuro? Palpita-me que a ideia deve ser a mesma que fundamenta a realização de trabalhos de casa, as provas de aferição e os quadros de honra na escola: “Façam-nos crescer depressa, que eles não podem ser tão felizes…”

Expliquem-me. Porque eu de facto não entendo.

E já que falamos de factos, vamos a eles… que a coisa aqui é tão fácil, como ir a banhos.

Facto nº 1:

A sesta desempenha um papel fundamental para a consolidação da memória e para a aprendizagem numa fase precoce. Um estudo, publicado aqui, demonstrou que as crianças que dormem a sesta, apresentam maior capacidade de retenção da informação, sendo que a qualidade do seu desempenho se mantém superior até ao final do dia. Para além disso, a monitorização da atividade cerebral de crianças durante a sesta, permitiu observar o aumento da atividade nas regiões relacionadas com a aprendizagem e a integração da informação.

Facto nº 2:

Embora nem todas as crianças em período pré-escolar durmam, o ideal é que as suas necessidades individuais sejam respeitadas. Desta forma, estamos a permitir à criança que as coisas aconteçam ao seu ritmo e de uma forma natural. A tendência é que à medida que vá crescendo, comece a dormir cada vez menos tempo. E assim, com facilidade se adaptará às exigências (pouco ajustadas) que a vida escolar e social representam.

Facto nº 3:

Não é a idade da criança que determina se esta deve ou não dormir a sesta. O nível de cansaço que apresenta, a quantidade de estímulos a que esteve sujeita e outros fatores orgânicos e psíquicos entram neste balanço, que definitivamente não se coaduna com fatores de maioridade.

Facto nº 4:

As crianças, sempre que são privadas do tempo de sono e de descanso de que precisam, apresentam sintomas como irritabilidade, cansaço, dificuldade de concentração. Ora e aqui chegamos à premissa mais básica de todas. Se o corpo dá sinal, é porque o corpo precisa, e existem poucas coisas mais importantes do que saber ouvi-lo.

Por último, mas não menos importante, basta pensar um bocadinho naquela que é a nossa experiência pessoal.

E aqui, quem nunca dormiu uma sesta que lhe “soube a pato”, que atire a primeira pedra.

Se por nós faz maravilhas, imaginem o que faz por eles, que atravessam uma fase de vida verdadeiramente incrível e exigente do ponto de vista físico e mental e que, só por isso, terão tanto a beneficiar deste “recarregar de baterias”, que o momento da sesta permite.

Termino, em modo tributo ao João Pestana e a outros personagens infantis, e peço-vos: deixem as crianças dormir. Deixem as crianças brincar. Deixem-nas sujar-se, dançar, dizer disparates, fazer perguntas difíceis, e rir até cair.

Deixem as crianças em paz e sejam crianças com elas. Muitas e muitas vezes.

5 thoughts on “Coisas do João Pestana

  1. Fabuloso. Desculpa mas é sempre a qualificação que se escapa! Não sou eu!! Esta mentalidade de transformação das crianças em cavalos de corrida para um qualquer tipo de sucesso é arrepiante. Deixar ser, valorizar afetos e tempo único e alegria em desmesura e segui-los desenvolve mais que qq espartilho. Feliz por seres e pensares assim. Beijos. Mil.

    1. E é tão isso…Deixar ser, deixar fazer o caminho, que é deles e que é único.
      Obrigada pelo carinho, obrigada pelos “ensinamentos” de vida. Na minha e na dele. Beijos muitos, sempre.

  2. Felizmente, a questão da sesta não se tem colocado… A minha filha mais velha está com 5 anos, e continua a dormir a sesta… Já tivemos alguns “arrufos” com o infantário antigo, pois na sala dos 4 anos estavam a obriga-los a saber e compreender os números… Sou defensora do tudo a seu tempo, se atropelarmos as etapas, algo se vai perder no caminho…

    1. É mesmo isso Natália, andamos demasiado preocupados com o desempenho e com as aprendizagens formais. Muitas vezes cedo demais… E isso é assustador e desvia-nos a atenção daquilo que é efetivamente importante que eles desenvolvam nestas idades: a capacidade de se relacionarem de uma forma positiva com os outros, a comunicação, a imaginação, a criatividade, a relação com o corpo… enfim. Se estas competências forem sendo trabalhadas, o ingresso no 1º ciclo decorrerá também de forma tranquila e de certeza, muito mais feliz.
      Obrigada pela sua partilha 🙂

  3. Quando se trata da educação o tema é sempre quente, especialmente no que diz respeito a crianças e adolecestes em formação… Há sempre opiniões divergentes, e o problema é que modernamente os professores, quase não podem ter opinião….«o meu menino sei eu como educar…» E assim é, que quando « o quadro, do menino» se começa a complicar e o menino a desobedecer ao papá ou à mamã…então ,« coitadinho, temos que ir com ele ao psicólogo….»
    Normalmente devia ser o contrário…Ao notar algo de anormal no menino, deve procurar, em 1º lugar o psicólogo para que o oriente… Há muito a dizer sobre o assunto, mas todos gostamos de dar a nossa opinião e a Rita Guapo, bem merece a nossa colaboração. Felicidades…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.