Amor maior.

Às vezes, dou por mim a olhar para cada bocadinho teu, como se fosse a primeira vez. As pontas loiras do cabelo em permanente alvoroço, as mãos ainda sapudas, os primeiros sinais que te surgem na pele, o olhar doce e esperto com que observas, curioso, a vida que acontece à tua volta.

Às vezes, dou por mim a duvidar da ideia de que te gerei, de que foi afinal de dentro de mim que saiu cada perfeição tua… E de todas estas vezes, que se repetem como as horas do dia, eu acabo por sossegar, respiro fundo e percebo que afinal, é aqui que mora o maior amor do mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.