O meu filho vai para o 1º ano, e agora?

O ingresso no primeiro ciclo é muitas vezes gerador de alguns receios para os pais: “Será que ele vai conseguir estar à altura?”; “Será que vai fazer amigos?”; “Será que vai gostar da escola nova?”; “Será que vai ser bom aluno?”… A forma como culturalmente pensamos esta transição, associando-a ao fim da brincadeira e ao início da escola a sério – transição do tempo lúdico para uma cultura de trabalho – acaba também por ser frequentemente fonte de algum stress parental, interferindo na forma como a criança a percepciona e sente a dimensão das expectativas relativamente ao seu desempenho.

É um facto que estes primeiros anos de adaptação escolar se constituem como alicerces fundamentais a todo o percurso escolar da criança, no entanto a premissa mais importante é que esta nova relação se desenvolva de uma forma tranquila, contribuindo para o desenvolvimento de crenças positivas em relação à escola enquanto espaço de crescimento, de aprendizagem, de curiosidade, de estabelecimento de relações afetivas…

Para ajudar neste caminho, aos pais, pode ser útil a reflexão sobre algumas ideias…

Transmitir à criança segurança e tranquilidade perante a nova fase de vida:

Em primeiro lugar é importante refletir sobre a forma como pensamos esta transição, sobre aquela que foi a nossa experiência, aqueles que são os nossos medos, partilhá-los com outros adultos… Trazer isto à consciência é meio caminho andado para controlar a tendência que temos para projetar muito daquilo que é nosso, no percurso dos nossos filhos. Levar as crianças a conhecer a escola nova antes do início do ano letivo, falar com os funcionários, conhecer o professor, ter algum tempo de brincadeira e exploração do espaço da sala de aula e do recreio, podem também constituir-se como elementos facilitadores. Fazer este reconhecimento do espaço físico e das pessoas que o habitam, de uma forma positiva e descontraída, contribuirá para que progressivamente se torne mais familiar, ajudando a ultrapassar alguns dos receios iniciais.

Evitar que o novo estatuto adquirido, o estatuto de “aluno” se sobreponha à criança:

Muitas vezes com a entrada no primeiro ciclo, tendemos a sobrevalorizar as questões relacionadas com o desempenho escolar, em detrimento de outras. É importante por isso manter e acarinhar os outros espaços da criança: o tempo da família, o tempo do brincar, o tempo de não fazer nada, o tempo para conversar sobre outras coisas que não os típicos “Portaste-te bem na escola?” ou o “Fizeste os trabalhos todos?”… Manter o espaço da família e procurar que dentro dos novos desafios e horários por cumprir, se mantenham os momentos lúdicos, conjuntos e tranquilos, sem conversas de escola e de trabalho, será uma boa forma de o conseguir.

Estabelecer relações positivas com a comunidade educativa.

Participar nas reuniões, desenvolver uma relação positiva e de partilha com o professor titular de turma conhecer o trabalho desenvolvido pela Associação de Pais, fortalecer laços com outros encarregados de educação, participar em iniciativas que contribuam para a qualidade educativa da escola dos nossos filhos… contribui não só para que estejamos a par daquilo que acontece na escola e possamos ser elementos ativos nas mudanças necessárias mas também para que, enquanto adultos, sejamos modelo de participação cívica e envolvimento comunitário para os nossos filhos.

Facilitar uma progressiva e tranquila adaptação da criança às novas rotinas diárias:

Com o início do primeiro ciclo surge também uma maior exigência no cumprimento dos horários escolares, o que pode ser desafiante para crianças e adultos e transformar as manhãs num verdadeiro inferno. A forma como a criança deve despertar deve ser ajustada às suas características e necessidades individuais: alguns miúdos acham graça à possibilidade de acordar com um despertador com música, outros preferem que se abram devagarinho as cortinas para deixar entrar a luz do sol, outros gostam de cócegas e de um “bom dia” animado, outros preferem ainda beijinhos e festinhas vagarosas… É importante reservar algum tempo para que este despertar aconteça de forma presente e sem pressas, mesmo que isso implique acordar um pouco mais cedo. Outro dos truques que pode ser determinante para manhãs mais calmas é o facto dos pais acordarem mais cedo e tratarem das suas rotinas antes de acordar a criança, o que lhes permitirá estar mais disponíveis para o tempo que se seguirá. Deixar algumas das tarefas preparadas no dia anterior: mesa do pequeno almoço posta, roupa escolhida, mochila e pasta arrumada… são também ideias que evitarão muitas manhãs de stress.

A transição para o primeiro ciclo é afinal apenas mais uma das muitas mudanças que ocorrem ao longo do ciclo de vida e é por isso importante retirar-lhe algum do peso que lhe está associado, dando espaço à criança para que faça aquilo que melhor sabe fazer: Aprender coisas sobre si e sobre o mundo e adaptar-se de forma natural aos desafios que lhe surgem nessa aprendizagem.

Tenhamos nós a capacidade de chegar perto todos os dias, na certeza de que estas são as rotinas boas que lhes permitirão, por mais que cresçam, descansar no nosso amor. Em todos os desafios e sempre, em cada regresso a casa.

Seja este um bom ano. De escola e de vida.

Estes dias, que se querem doces…

Eles estão na escola. Nós estamos a trabalhar.

Provavelmente não é a vida que sonhámos, mas é a vida que temos.

Aquela que vai agora começar a correr mais depressa e que nas manhãs de segunda, nos vai deixar a suspirar pelos sábados seguintes. E sim, esta coisa de voltarmos a ter de cumprir horários e não podermos continuar ao sabor do sol e do mar, é chata. Mas faz-se.

A parte mais difícil e a que tantas vezes me atordoa, é a noção clara de que é nesta velocidade dos dias que eles crescem, que mudam, que se tornam gente e que com isso ganham tantas outras coisas, verdadeiramente incríveis, a cada instante.

E enquanto tudo isto se passa, nós estamos, demasiadas vezes, sem tempo ou sem disponibilidade efetiva, para absorver cada segundo desta transformação quase mágica.

O desafio parece tornar-se maior na proporção do “encolher” dos dias, que se mede pela infindável lista de tarefas a que temos de dar resposta.

É por isso a partir deste momento, que devemos estar ainda mais atentos e disponíveis (tornando consciente essa necessidade), para aquilo que é realmente importante na relação com os nossos filhos, que será também o que constituirá porto seguro, nos momentos que se façam mais difíceis.

Depois do afastamento físico do dia, uma boa forma de restabelecer a ligação é em cada chegada a casa, através de um abraço, de uma conversa, da partilha dos desafios vividos: o que foi mais positivo, o que nos fez sentir tristes, o que nos surpreendeu, enfim… tudo o que em nós mudou desde que acordámos de manhã.

Na comunicação com os nossos filhos, as perguntas mais fechadas ajudam ao retorno de respostas específicas, estimulando a conversa e facilitando a construção de pontes de comunicação e afetividade.

E atenção às armadilhas a que cedemos facilmente e que acabam por tomar conta de nós: “Ok, deixa-me só tomar um duche, tirar a loiça da máquina, ler os emails… e já conversamos um bocadinho.”

No excuses.

É fundamental dar-lhes tempo (o que temos e o que precisamos de arranjar), de uma forma real e presente e ser também capaz de o fazer por nossa iniciativa, sem que eles tenham de o pedir ou, no caso dos adolescentes, sem que eles aprendam a achar que isso já não é necessário.

Tenhamos nós a capacidade de chegar perto todos os dias, na certeza de que estas são as rotinas boas que lhes permitirão, por mais que cresçam, descansar no nosso amor. Em cada regresso a casa…

 

P.S- Escrever este texto trouxe-me também a vontade de partilhar este vídeo. Convido-te a que o vejas, de coração aberto e atento, para não esquecer… 

https://www.youtube.com/watch?v=szVqmsOVDZk

Regresso ao Futuro. Parte I.

Amanhã é dia.

Dia de recomeçar, de acreditar, de querer fazer melhor. É pelo menos isso que me lembro dos meus setembros de estudante e embora o meu filho ainda não tenha chegado aos dias de “escola à séria”, acompanho de perto os anseios e as dúvidas de quem, com os filhos, inicia agora mais um ano escolar.

Por saber disso, e por saber também quão importante é começar com um salto a dois pés, esta caminhada que se quer feliz, partilho convosco algumas ideias que me parecem úteis neste regresso:

Atitude positiva. O optimismo aprende-se, e se em casa o retorno à escola for vivido com alegria e entusiasmo, isso é meio caminho andado para que a adaptação à nova rotina se faça sem grandes dramas. E isto significa também, não reclamar muito com o regresso ao trabalho. Sim, eu sei, lá no fundo precisávamos de mais 3 meses (até porque sabiam bem umas férias das férias), mas eles não precisam de saber isso…

Organização. Uma das questões que mais nos aflige, com a ideia de voltar à rotina, é a falta de tempo para tudo. É o despertador, é a correria da manhã, são as atividades extracurriculares, os trabalhos de casa… enfim, haja estaleca! Tenho aprendido que um dos segredos para manhãs e finais de dia mais tranquilos é a organização. Preparar mochilas e lanches na escola para os mais pequenos, organizar com os mais velhos o horário da semana, que inclua tempos de estudo, tempos de lazer e tempo em família, escolher a roupa que queremos vestir no dia seguinte e até deixar a mesa do pequeno almoço pronta, são pequenos truques que nos pouparão diariamente a alguns minutos de modo “à beira de um ataque de nervos”. E só por isso, vale muito a pena.

Serões tranquilos. Façam dos momentos a seguir ao jantar, uma espécie de elixir de paz, que vos ajude a terminar o dia em família, com a tranquilidade necessária para uma noite retemperadora, como todas as noites devem ser. E isto pode facilmente conseguir-se com uma boa conversa, um jogo de tabuleiro ou uma história. E claro, sem televisão.

Adaptação gradual. Aceitem a ideia de que a coisa não vai encarrilar logo na primeira semana de aulas. Eles, e vocês, precisam de tempo para fazer face ao “síndrome pós férias” e permitir que se estranhem, antes de se entranhar, as novas rotinas. Para além disso, podem aproveitar esta altura inicial, em que os dias ainda se fazem compridos e na escola as atividades se organizam, para aproveitar alguns momentos de praia, uma ida ao parque ou ao cinema. Miminhos, que ajudam ao suave despertar para os compromissos escolares e laborais.

Amanhã é dia. De sermos felizes.