Aprender a estudar.

Chamamos-lhes estudantes mas a maioria dos alunos não sabe estudar, o que até é perfeitamente compreensível uma vez que tal, nunca lhes foi ensinado. Estranhamente, porque todos vão ter de o fazer durante, pelo menos, uma década de vida.

E se até ao 3º ciclo as coisas correm mais ou menos tranquilas e basta agarrar nos livros um ou dois dias antes do teste, o ingresso no ensino secundário traz consigo novos desafios para os quais é importante que eles estejam preparados. E nós também.

Aprende-se a estudar estudando mas existem algumas premissas que já aqui foram abordadas e que podem fazer a diferença. A ideia é que a tarefa se torne mais fácil e o hábito se desenvolva, de uma forma positiva e autónoma, sem que miúdos e pais tenham de ficar à beira de um ataque de nervos, sempre que um teste se aproxima. Para além disso, pode ser útil pensar sobre questões como a rotina de estudo e as metodologias mais eficazes quando o objetivo é estudar e, sobretudo, estudar bem:

O ambiente. Todos sabemos que quando estamos num local onde nos sentimos bem, somos capazes de produzir mais e com maior qualidade. Assim é em relação ao local de estudo. O espaço onde se dedicam a aprender deve ser um espaço calmo, organizado, agradável no que se refere à temperatura e à luminosidade e adequado do ponto de vista da ergonomia – cadeira e secretária que permitam uma boa postura corporal. Muitas vezes noto que o hábito é andar a saltitar pela casa. Ora estudam na sala, ora na cozinha, ora no quarto, o que pode não ser muito favorável à sensação de tranquilidade e de organização, aqui são tão necessárias.

A regularidade. A ideia é evitar o estudo intensivo na véspera dos testes, que deve ser um dia dedicado apenas à revisão dos conteúdos que foram sendo trabalhados atempadamente. Sem stress. Isto implica que regularmente se dedique algum tempo a pensar nos conteúdos que foram aprendidos, o que, para além de permitir consolidar a informação recebida, permite também a percepção de eventuais dúvidas, que deverão ser esclarecidas com o professor nas aulas seguintes. Para além disso, em cada sessão de estudo e como forma de manter a motivação, é importante alternar as disciplinas preferidas com aquelas em que se sente mais dificuldade, a par da realização de pausas de 15 minutos por cada 45 minutos de trabalho.

As técnicas. Diferentes disciplinas requerem diferentes estratégias, mas conhecer algumas pode ser fundamental para obter melhores resultados. Para começar, é importante aprender a destacar as ideias principais ou as palavras-chave, de um determinado texto. Sublinhar, com recurso a marcadores coloridos, fazer anotações adicionais, ajuda a integrar a informação, de forma a que sejamos capazes de a compreender. Depois, pode ser importante fazer um resumo ou esquema da matéria trabalhada, já que isso nos obriga a ser capazes de a explicar por outras palavras, o que por si só, ajuda à sua consolidação. Também a resolução de exercícios é uma forma de testar os conhecimentos adquiridos e de perceber os pontos que é ainda necessário rever. Ainda neste contexto, uma estratégia que costuma ter bons resultados é pedir-lhes que nos “dêem uma aula” acerca daquilo que aprenderam. De facto, a aprendizagem torna-se mais efetiva, sempre que temos de ensinar a alguém um determinado assunto e por isso, nada melhor do que estarmos disponíveis a aprender com eles.

Finalmente, e porque se sabe que é preciso tempo e treino até que se “entranhe” uma rotina de estudo produtiva, autónoma e personalizada, é fundamental valorizar e congratular os nossos filhos/ alunos pelo esforço despendido, mais do que pelo resultado alcançado. Só assim contribuiremos para que se sintam motivados, na consciência poderosa de que têm em si, a capacidade de chegar a todo o lado, sempre que assim o decidam.