Pensar nas escolhas como um processo. (4 de 5)

O desenvolvimento vocacional é um processo que se inicia desde o momento do nascimento e nos acompanha ao longo do nosso ciclo de vida, atravessando as mudanças necessárias, inerentes ao crescimento.

Constitui-se assim como uma dimensão do desenvolvimento psicológico global, que nos permite estabelecer relações com o mundo físico e social, através do questionamento e da experimentação, e nos prepara para o desenvolvimento dos diferentes papéis de vida, nos quais se incluem claro, os de estudante e de trabalhador.

Tal como nós, também o mercado de trabalho está em constante mudança. Surgem novas profissões, extinguem-se outras, o que faz com que, atualmente, não existam setores ou profissões imunes a esta transformação. Consequentemente, e tendo em conta as características e desafios do mundo como o conhecemos hoje, as pessoas deparam-se com a necessidade de reequacionar as suas trajetórias de vida e de carreira, de forma a adaptar-se às novas exigências.

Posto isto, é importante aceitar que a ideia que aprendemos do “emprego para a vida”, não será a realidade dos nossos filhos, o que implica que o seu futuro escolar e profissional deva ser pensado como um projeto em permanente construção, passível de ser alterado e reconstruído, as vezes que forem necessárias.

Mas então, como se prepara os filhos para isto?

Primeiro passo: Dizer-lhes, as vezes que forem necessárias, que as decisões que tomem não se encerram em si e que poderão sempre voltar atrás, mudar o rumo e recomeçar. Fazê-los sentir que assim é, mediante a aceitação das frustrações, dos erros, das tentativas, como parte normal e saudável do processo.

A escolha de um curso não significa necessariamente que é nessa área que irão trabalhar. Saber disto (e saber que nós sabemos disto), tira-lhes um peso enorme de cima e deixa-os mais tranquilos para subir um degrau de cada vez.

Segundo passo: Ajudar a que desenvolvam um mapa de competências que, pela sua transversalidade, lhes permita enfrentar os diferentes momentos de transição, preparando-os para a possibilidade de exercerem vários trabalhos ao longo da vida.

criatividade, a flexibilidade, a autonomia, a adaptabilidade, o empreendedorismo e o pensamento crítico, mas também a inteligência emocional, a capacidade de comunicação e o espírito de equipa, são as competências mais valorizadas no mercado de trabalho atual e serão também aquelas que se revelarão fundamentais para fazer face aos diferentes desafios que a vida lhes trará.

Para além disso, favorecer o conhecimento daquelas que são as suas características pessoais e daquilo que valorizam enquanto pessoas, é importante para permitir que antecipem as vantagens e desvantagens de cada possibilidade, abrindo caminho a que as escolhas feitas se aproximem, o mais possível, dos fatores que contribuirão para o seu bem estar e satisfação.

Alimentando sempre a ideia de que a pessoa que são, constrói-se a cada passo dado e cresce, em todos os sentidos, sempre que aceita na bagagem todas as experiências e caminhos percorridos.

Na prática: Estimula os teus filhos a que participem em atividades comunitárias, incentiva a que se associem a uma causa humanitária, a que colaborem com uma associação juvenil ou a que se agarrem a um part-time nas férias… Estas experiências contribuirão para que desenvolvam competências como as que acima foram descritas, permitindo ainda que alarguem o círculo relacional e aprendam a adaptar-se e a funcionar em ambientes diferentes daqueles que estão habituados. E isso dá-lhes muita estaleca. Para além disso, é fundamental favorecer a possibilidade de se dedicarem a atividades extracurriculares como a música, a dança, o desporto… Estas aprendizagens promovem o autoconhecimento, representando para os adolescentes uma oportunidade para explorar e desenvolver as suas aptidões e interesses, que poderão mais tarde revelar-se verdades sobre si.