Nesta história, de Super não temos nada.

Há uns tempos, num dos grupos de facebook a que pertenço, alguém partilhou um vídeo que mostrava uma criança sob o efeito de uma anestesia e a conversa alucinada que mantinha com os pais. Olhos vidrados, expressão apática, discurso confuso e desorganizado. Falava sobre aliens, perguntava onde estava, deixava a cabeça cair para a frente, e ria, ria sem parar, longe de saber o que lhe estava a acontecer. Os pais, conscientes do sítio onde estavam e da origem do comportamento do filho, tiveram o feliz impulso de filmar o episódio e a brilhantíssima ideia de o partilhar na internet. Tornou-se viral. Vá-se lá saber porquê.

Ou talvez se saiba.

Talvez o vírus seja o mesmo que carregou a página oficial do programa Super Nanny de comentários a parabenizar a iniciativa, agradecendo a boa hora em que apareceu a ama que corrige e resolve, pedindo vida longa às histórias das crianças que se seguem, excitado com a possibilidade de continuar a espreitar pelo buraco da fechadura da vida dos outros. Aos muitos que se insurgem contra (tal como eu me insurgi contra o vídeo do miúdo anestesiado), acusam de falsos moralismos, de serem responsáveis pela má educação dos miúdos de hoje, de se meterem com decisões que só aos pais cabem, de lançarem polémica sob um formato que foi sucesso em tantos outros países. E outras pérolas mais.

E debaixo do fogo cruzado dos discursos inflamados, do ataque cerrado, das acusações sem fim, está a Mariana, que mesmo tendo sido batizada de “furacão” não conseguiu usar a força para desaparecer dali e deixar os adultos no meio do caos que os próprios criaram.

É, apenas e só, a Mariana que me interessa. É a ela que devo respeito, que devo colo, que devo proteção. Era nela que alguém devia ter pensado antes de ter pensado em dinheiro, em audiências, em projeção profissional.

Saiu-nos pela culatra o propósito desmedido e pelo caminho levámos a Mariana que não tem culpa nenhuma de que mandem nela. A mãe, a Nanny e o mundo inteiro.

Do velho e do novo.

Tenho escrito pouco. A vida pede-me tempo, os meus merecem que o tenha. Temos andado ao ritmo da preguiça e ao sabor da vontade e é tão bom poder estar assim.

Mesmo não exercitando os dedos no teclado, as palavras continuam a dançar-me na cabeça e, sempre que não agarro num papel de rascunho para lhes dar vida, elas fogem-me e eu nunca mais lhes ponho a vista em cima. Pelo menos da forma como as pensei na primeira vez.

Engraçada esta coisa da inspiração. Fugaz e ainda assim tão vital.

Tenho escrito pouco mas tenho pensado muito. Pensado naquilo que o ano velho me trouxe, pensado naquilo que o novo pode trazer e uso esta dicotomia do velho e do novo para me insuflar de esperança, de força, de vontade e assim me libertar de tudo aquilo que não me serviu.

O 17 foi um ano generoso, como felizmente me têm sido todos. E eu sou mesmo uma sortuda, pelas pessoas que me amam, pelo trabalho pelo qual me apaixono todos os dias, pela materialização dos projetos que me fazem bem, pela saúde do corpo, pela insaciedade da alma… Este foi um ano cheio de conquistas pessoais e de aprendizagens enormes, mas também de algumas frustrações e suspiros cansados, os necessários para entender e aceitar que não posso ser tudo o que quero ser, pelo menos de uma só vez.

É preciso tempo e é preciso paz para deixar acontecer, na certeza de que todas as mudanças que ficam, se desenham num sem fim de pequenos grandes momentos (talvez este tenha sido o maior ensinamento).

Ao 18 eu peço a generosidade de sempre e prometo-lhe mais gratidão (aos meus e à vida), mais tranquilidade (para permitir às coisas o tempo que elas precisam), mais fé em mim (nos outros tenho sempre). Nestes 18, entrarei com os dois pés firmes, rodeada de amores para a vida e de amigos bons, no lugar mais bonito do mundo. E isto, eu sei, será sempre o melhor augúrio.

E se numa frase eu tivesse de resumir quem fui no ano que agora deixo ir, eu diria:

Ela aprendeu a ser quem era. E foi feliz.

Bom ano gente bonita e aproveitem os 365 dias que aí vêm para repetir tudo o que vos faz bem.

 

P.S – Obrigada por estarem aí. Sempre. Prometo continuar a dar-vos o que de melhor tenho em mim.

O bom do Pai Natal.

Tenho uma relação agridoce com esta história do Pai Natal.

Acho que não gosto, mas acabo por provar e ir mastigando a coisa. Por mastigar entenda-se, embarcar no disparate. Sim, porque hoje em dia, mesmo que eu não quisesse abraçar o conceito de um senhor de barbas distribuidor de presentes, tal seria tarefa quase inglória.

O bom do senhor está mesmo em todo lado. É no supermercado, é na televisão, é na escola, é nos outdoors, é nos catálogos na caixa do correio… e eu, que até percebo que papar com a Lapónia o ano inteiro, deixe qualquer um entediado (e que por isso, este apelo natalício seja um espécie de libertação), continuo a achar que o rapaz podia ser um pouco mais comedido na auto propaganda.

Ora vejamos então, uma das mil razões porque é que esta tradição é tramada…

No ano passado, um dos desejos da criança aqui de casa era o camião da patrulha pata. Eu, mantendo-me fiel àqueles que são os nossos princípios enquanto família, achei que cobrar 100 euros por um camião de plástico, usando perniciosamente o facto do mesmo povoar o imaginário de todas as crianças entre os 3 e os 5 anos, era, no mínimo, imoral. E mantive o boicote ao camião da patrulha pata.

Na altura expliquei ao Manel que talvez o Pai Natal não conseguisse trazer aquele brinquedo porque era muito caro e era preciso distribuir os brinquedos (a riqueza) por todos os meninos. A coisa colou mas uns dias depois do Natal, acalmadas as hostes, ele veio ter comigo e perguntou porque é que o Pai Natal tinha trazido um camião tão caro a alguns dos seus amigos e a ele não. Eu, engoli em seco e improvisei a melhor resposta que consegui na altura.

Este foi um dos milhares de momentos em que me apeteceu acabar com a fantochada. Não o tendo feito, procuro não alimentar demasiado a coisa e vou falando no Pai Natal dos pais, do avô, da avó, dos tios… vamos vendo juntos os catálogos dos brinquedos que nos chegam a casa (e que lhe fazem os olhos brilhar) e vamos falando sobre os preços e sobre a sua relação com a qualidade ou interesse do brinquedo. E o Manel vai sendo capaz de fazer escolhas cada vez mais conscientes, o que a mim me faz sentir que estamos no caminho certo.

Ultimamente tem-me feito perguntas estratégicas do género: “Mas porque é que o Pai Natal está sempre com a mesma idade?”, “Mas como é que o Pai Natal entra nas casas que não têm chaminé?, “E porque é que nós raramente vemos o Pai Natal verdadeiro?”

E na vez em que me pergunta se o Pai Natal existe de verdade, eu respondo que há pessoas que acreditam que sim e outras que acreditam que não. Não consigo dizer-lhe outra coisa.

Posto isto, vou continuar neste misto de amargo doce, a deixar-me levar pela sua imaginação e pelo seu ritmo, neste caso, ainda tão conduzido pela melhor estratégia de marketing de sempre: um senhor barbudo, de ar simpático e bochechas rosadas, vestido de vermelho e branco, a beber uma coca cola fresquinha.

Felizmente, o Natal é tão mais do que isto.

Felizmente, eu tenho cá para mim, que ele começa a entendê-lo…

 

A carta que agora me apetece.

 

Meu querido Pai Natal,

Hoje sou eu que te escrevo. Talvez já o faça tarde, mas sinto que preciso de apaziguar as dúvidas que me assaltam em relação aos métodos que usas, para educar as crianças que por esta altura, sonham contigo todos os dias. E porque eu sei que com esse teu ar bonacheirão, só podes mesmo ser boa pessoa, aqui te proponho algumas reflexões. Sem censura.

A carta (vulgo lista). Eu entendo que a Lapónia seja longe e que por isso os manuscritos enviados pelo correio sejam até uma boa alternativa. Mas sabes Pai Natal, as crianças quando ensinadas sobre a importância e a magia desta carta, depositam nela tudo o que têm, tudo o que desejam ter e até tudo o que gostariam que fosse diferente. Às vezes até pedem que o pai ou a mãe, que já cá não estão, voltem, imagina tu. E cá entre nós Pai Natal, há coisas que tu, definitivamente, não podes fazer…

As diferenças no tamanho do saco. Pai Natal, já pensaste que se calhar seria boa ideia encomendar os sacos que deixas em cada chaminé (ou exaustor), a uma qualquer empresa têxtil que os fizesse a todos iguais, bem mais pequenos de preferência? Todos sabemos que começaste com sapatos e meias e que as exigências da tarefa te obrigaram a mudar, mas a continuar assim, qualquer dia, conduzes um camião TIR. Não há rena que aguente puxar um trenó tão pesado e, sobretudo, não há criança que compreenda o valor de um presente, quando recebe 30 de uma só vez;

A seleção dos destinatários. Eu sei que o mundo tem muitas crianças, que tu tens imenso trabalho e que por isso, precisas de justificar porque é que umas serão merecedoras dos teus presentes e outras não. Mas fazer isso com base no critério “bom” ou “mau”, parece-me a mim um bocadinho injusto. Sobretudo quando se fala de crianças. Todas as crianças são boas crianças, todas as crianças se portam bem (mesmo quando fazem birras) e todas as crianças são capazes de pedir, com toda a força que têm, os presentes com que sonharam ao longo do ano. E ainda assim, sabemos nós, nem todas as crianças têm o privilégio de os receber;

O desafio dos pais. Amigo “Barbuchas”, é ponto assente que nós somos os teus principais aliados nesta missão, às vezes ardilosa, de fazer crianças felizes, mas custa-me pensar que para isso temos de lhes mentir. Sobretudo nós, que desde que eles aprendem a falar, lhes dizemos que mentir é feio. Muito. Então ando eu a afiançar que o “homem do saco” não existe para castigar os maus meninos e depois digo-lhes que há um senhor vestido de vermelho que atravessa os céus a uma velocidade estonteante, para premiar os bons? Huummm, não sei se isto será um bom princípio…

Meu querido Pai Natal, findo este desabafo sei que outras coisas haveria para dizer mas parece-me que o principal é que se revejam alguns procedimentos, de forma a impedir que a falta de atenção ao outro e o consumo desenfreado e pouco consciente, nos roube aquele que é o verdadeiro sentido de estarmos juntos, nesta que é a melhor missão do mundo.

E sabes que mais, Pai Natal?

Esta carta que hoje te escrevo traz-me a clareza de perceber que afinal, sou eu que te devo um pedido de desculpas. Porque tu és, apenas e só, aquilo que nós fizemos de ti.

O mérito, o valor e a excelência.

 

O mérito, o valor e a excelência foram convidados para a festa do ano.

Vestiram-se a rigor, puseram no rosto o seu melhor sorriso e dançaram juntos ao som de Freddie Mercury, antes de sair de casa.

Ao chegar à escola, sentiram-se ainda mais especiais. Tudo estava tão mais bonito, as flores enfeitavam o auditório, as luzes acesas iluminavam o palco, a toalha azul, a mesa de café e chá e uns rolinhos brancos com fita de cetim muito alinhados, faziam adivinhar o que de tão importante lá traziam escrito.

Todos se endireitavam, imponentes, de mãos atrás das costas para os receber: a equipa de direção, os professores, os pais e uii… imagine-se, até o presidente da câmara lá estava. 

O mérito, o valor e a excelência ficaram envergonhados com tal acolhimento mas encheram o peito de orgulho por ali terem sido chamados.

À medida que a cerimónia avançava, anunciavam-se os nomes da lista dourada e os meninos e as meninas subiam ao palco, debaixo de aplausos. Os pais, de pé na plateia, não cabiam em si de contentes e por entre flashes de telemóvel e braços no ar, via-se uma ou outra lágrima de emoção.

O mérito, o valor e a excelência distribuíam abraços e assinavam contentes os diplomas dos alunos premiados que, assim que podiam, fugiam outra vez para os braços da família.

E mesmo no momento em que começavam a habituar-se a tão especial missão, o mérito, o valor e a excelência perceberam que os rolinhos brancos com fita de cetim haviam chegado ao fim.

“Mas… quantos alunos tem esta escola?”, perguntou com estranheza a excelência.

“Cerca de 300!”, respondeu alguém prontamente.

“E então onde estão os outros 260?”, devolveu o mérito.

Um silêncio constrangedor tomou conta da sala. Sim, era verdade, naquela escola viviam 260 crianças que ali não tinham cadeira naquela noite.

“Ahãã…” avançou corajosamente alguém: “Sabem é que os critérios este ano são apertados. É preciso ter nível 4 ou 5 a todas as disciplinas ah, e claro, não ter sido sujeito a nenhuma medida disciplinar…”

O mérito, o valor e a excelência olharam confusos uns para os outros e perceberam, finalmente, o que por ali se passava. Não conseguindo disfarçar o natural desapontamento, baixaram os braços, deixaram esmorecer o sorriso, apagar-se o entusiasmo e juntos, abandonaram a festa.

Já em casa e antes de adormecer, tomaram a mais sábia decisão das suas vidas: falar com a organização e propor a revisão dos critérios a concurso. Para o ano bastaria apenas o cumprimento de um, para que se excedessem todos os padrões de mérito, de valor e de excelência: Ser Criança.

E com pós de perlimpimpim, esta história chegou ao fim.

Era só isto, meus senhores. Era com esta história de encantar que hoje vos queria adormecer…

A mais honrosa missão do mundo.

Acredito que a escola é um lugar de todos e um lugar para todos.

Quando a penso, penso-a enquanto espaço comunitário, de crescimento, de construção e aprendizagem conjunta, com a participação ativa e envolvida de todos os que têm a capacidade de a transformar: alunos, pais, assistentes operacionais, educadores, professores, técnicos. Cada um tem o seu papel e cada um terá, na mais firme certeza, contributos importantíssimos a dar, em nome da mais honrosa missão do mundo e que à Escola cabe: Educar.

E ainda que todos saibamos disto (uns mais do que outros), há escolas que ainda se fecham aos pais, há pais que ainda recusam abrir-se à escola, há funcionários que ainda acham que a sua opinião não conta (porque há quem nunca pergunte por ela), há professores que acreditam que a sua tarefa se encerra nas páginas do manual da disciplina que ensinam. E depois há os miúdos, esses, que depressa tiram a pinta aos adultos que, perdidos no meio das regras e dos números, vão tratando de transformar a escola num lugar inerte, de passos e caminhos contados, tantas vezes assustadoramente limitados, no pensamento, nas portas fechadas, nos horários, nas mesas arrumadinhas em fila.

E à medida que os meninos vão crescendo em tamanho, a comunicação vai deixando de existir, deixamos de saber os nomes dos funcionários, os carros limitam-se a parar ao portão de manhã e ao cair da noite, as festas já não se fazem, as reuniões de pais têm cada vez mais cadeiras vazias…

A Escola vai perdendo assim a sua essência e afasta-se da mais honrosa missão do mundo, aquela que ela lhe caberia, se tudo estivesse no seu devido lugar e se misturasse, muitas e muitas vezes, para crescimento de todos.

Hoje assumi o compromisso de integrar a equipa da associação de pais da escola do meu filho. Se me vai dar um trabalho do caraças? Vai. Se vai valer a pena? Vai. Se quero que a Escola mude? Quero. E vou lutar a cada instante para que a mudança aconteça e se construa positiva, refletida e sempre, sempre partilhada.

É isto afinal que eu quero que ele mais aprenda: que cá dentro mora o sonho de que o mundo se pode tornar num lugar melhor e que a transformação bem pode começar no chão da Escola, com a participação de todos os que dela fazem espaço de Ser, espaço de Educação.

A revolução que lhes devemos.

O planeta aquece, as espécies extinguem-se, os robots assemelham-se a humanos e nós continuamos tremendamente enganados, neste caminho de achar que ensinamos as crianças a amar a natureza, explicando-lhes para que servem as cores do ecoponto ou dizendo-lhes para poupar a água que lhes cai, milagrosamente, da torneira.

Enquanto lhes construirmos recreios de betão, enquanto circundarmos de arame as árvores para que não lhes trepem, enquanto lhes comprarmos os legumes e as frutas já lavados e cortados num saco de plástico, enquanto os levarmos ao jardim zoológico e ao circo para que se divirtam, enquanto lhes pusermos televisões no quarto, impedindo-os de entender que a vida lá fora é tão mais interessante… enquanto lhes fizermos isto e tantos outros disparates mais, estaremos longe de resgatar aquela que é a sua essência.

A revolução que é verdadeiramente necessária, não acontecerá nunca dentro de quatro paredes, nem tão pouco precisará de computadores.

Esta de que falo, e que acredito ser a única capaz de salvar o mundo, precisa de crianças sem medo de mexer na terra, precisa de miúdos a desejar o cheiro do mar bravo de inverno, a procurar o sabor doce dos figos acabados de apanhar, a saber porque é que os cucos não fazem ninhos ou a conhecer a idade de uma árvore, pelos anéis que traz desenhados no tronco.

Precisa, enfim, de gente que sinta na pele o privilégio que é estar vivo e que saiba que existem coisas tão mais importantes do que o nosso umbigo ou o nosso conforto. Afinal, o sol nasce e põe-se todos os dias, porque é assim que deve ser e assim será, para além da nossa existência.

Era esta, só esta, a minha mais honrosa missão. E eu estou ainda tão longe de ta ensinar como mereces.

Perdoa-me meu amor e eu prometo-te não desistir. Ainda não…

 

P.S – Esta é a Sophia. E é ela que materializa a revolução que mais temo.