Aquilo que eu não deixo faltar na lista de material escolar…

Setembro chegou em força, como faz todos os anos.
Este até trouxe uma descida abrupta de 10 graus celsius, não fosse algum incauto, não ter percebido ainda que a boa vida tinha terminado.
Acabei de resgatar os vouchers dos manuais do Manel. Os primeiros.
Andei a empurrar a coisa até aqui e confesso que não o faço com uma alegria imensa. Faço-o porque tem de ser e esconderei num sorriso tudo aquilo que já sei, quando o embrulho chegar e nós podermos abri-lo juntos. Tudo, porque para além da Matemática, do Estudo do Meio e do Português, virá também embrulhada na encomenda, a rotina do trabalho, o horário da escola, a rigidez do relógio.
E eu volto a confessar-me neste texto, para te dizer que tenho medo.
Tenho medo dos dias enormes e ainda assim a transbordar de coisas que não interessam. Tenho medo das noites curtas e da sequência cansada do banho-comida-cama, que me desgasta e me descentra. Tenho medo da sensação de estar em todo o lado e não estar em lado nenhum. Tenho medo, sobretudo, da falta de ti, inteiro e livre. E de mim, inteira e presente, como me mereces.
Mas tu tens seis anos e eu tenho mais trinta e dois. Esses onde já cabe a conformada certeza de quem nem sempre se tem o que se quer (ou pelo menos como se quer) e que há coisas que é importante agradecer, ainda que o que tragam a reboque, nos afaste do que é efetivamente importante.
E é nelas, mesmo no meio delas, que temos de nos (re)encontrar. E respirar, agradecendo a sorte de ter um trabalho que amamos, de te poder levar à escola, de vivermos perto de amigos e família, numa cidade tranquila que te permite crescer seguro. Tudo, sem deixar de firmar o compromisso de, de quando em quando, pegarmos na mochila e rumarmos a esse espaço vital, o da liberdade, do improviso, do encantamento… A tudo o que, afinal, os teus seis anos nos trazem e ensinam como caminho.
O embrulho virá e nós folhearemos juntos, pela primeira vez, os manuais. E eu prometo explicar-te num sorriso, que a vida não se faz da Matemática, do Estudo do Meio nem do Português.
E cresceremos juntos, de pé descalço e manual na mão.

Nota: Este texto fala pouco de material escolar, mas fala das coisas (imateriais) que é imperativo incluir na lista. E pensar nelas, trouxe-me outra vez este vídeo, fazendo-me sentir que talvez seja a ele que devamos retornar, sempre que a vontade nos falte e a cor se perca nos dias…

Deixe um comentário

avatar

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.