A minha Vera.

A minha Vera é força de vida. E de coragem.

Da irmandade adolescente foi ela que agarrou o sonho e o transformou em verdade, logo ali, quandos todas nós ainda suspirávamos pelo dia em que seríamos capazes.

Fomos levá-la ao aeroporto e depois da despedida, das cartas para ler no avião, do abraço apertado, da promessa de visita… ficámos a vê-la desaparecer nos corredores, de braço no ar e sorriso largo, cheio de esperança de que as lágrimas aguentassem até à primeira curva.

A Vera nunca mais voltou. Pelo menos para ficar.

Eu fui, voltei, fiquei. E aprendi a amá-la à distância, nas mensagens curtas, nos e-mails longos, na vontade dos telefonemas que não acontecem, na certeza dos verões e dos natais que se seguirão, apenas e só, para que voltemos a ter 15 anos mais uma vez…

A minha Vera é madrinha do meu filho e essa será sempre a minha maior prova de amor. Possibilitar a outra mulher um espaço próprio, único e tão especial, no coração de quem me tem por inteiro e para sempre. E quando ela chega é vê-los rir e brincar no chão, como se estivessem estado sempre assim. Essa é a sua maior prova de amor.

A minha Vera é força de vida. E de coragem.

E mesmo que o tempo passe e a distância às vezes me consuma pela vontade da amiga irmã, ela sabe (tal como eu), que na vida só se está, quando se é. E nós sabemos ser como ninguém, mesmo que seja preciso um avião para partilharmos um copo de vinho e brindarmos a cada disparate dito.

O meu parte esta semana, e vai saber a tanto…

Deixe um comentário

1 Comentário em "A minha Vera."

avatar
Carina
Visitante

♥️