A vida é feita de muitas escolhas. E a deles não é exceção…

Têm idades entre os 14 e os 16 anos.
Dir-se-ia que eram feitos de sonhos, de projetos e de vontade de seguir em frente. São-no. Mas a reboque trazem com eles o peso da escolha e o medo do fracasso. O pânico de que um passo mal dado possa definir o resto das suas vidas ou fechar a história sobre a pessoa que serão. Não é assim, mas é preciso dizer-lhes isto, muitas vezes, para que o saibam, respirem fundo e avancem.

O desenvolvimento vocacional é um processo que se inicia desde o momento do nascimento e nos acompanha ao longo do ciclo de vida, com as mudanças necessárias, inerentes ao crescimento.

Em determinadas etapas do percurso escolar, como as do 9º e do 12º ano, o sistema de ensino exige aos jovens uma tomada de decisão relativamente ao curso a seguir, ou outras oportunidades relativas ao ingresso no mercado de trabalho. É uma escolha que se deseja consciente, informada e responsável, mas que não precisa em si da perspectiva de fatalidade que muitas vezes carrega.

O futuro escolar e profissional deve ser pensado como um projeto em permanente construção, passível de ser alterado e reconstruído, as vezes que forem necessárias.

Reconhecer que cada escolha é apenas mais um passo na direção desse futuro, é fundamental, tal como é fundamental o apoio dos pais, professores e educadores nestes momentos de tomada de decisão, podendo constituir bons pontos de partida os seguintes…

Estimular a que se conheçam a si próprios, a que identifiquem os seus interesses, aquilo que valorizam, os seus pontos fortes… O autoconhecimento é fundamental para que as escolhas feitas nos momentos de tomada de decisão escolar se aproximem o mais possível dos fatores que contribuirão para a sua satisfação futura e para o seu sucesso pessoal.

Ajudar a que desenvolvam um mapa de competências que, pela sua transversalidade, lhes permita enfrentar os momentos de transição e a possibilidade de fazer várias escolhas, de exercerem vários trabalhos e terem acesso a várias experiências ao longo da vida. Falo da criatividade, da flexibilidade, da autonomia, da adaptabilidade, do empreendedorismo e do pensamento crítico, mas também da inteligência emocional, da capacidade de comunicação e do espírito de equipa. Entre outras.

A escolha de um curso não significa necessariamente que é nessa área que vamos trabalhar, sobretudo num momento em que o mercado de trabalho está em constante mudança. Surgem novas profissões, extinguem-se outras e cada vez mais, as pessoas se deparam com a necessidade de reequacionar as suas trajetórias de vida e de carreira, de forma a adaptar-se às novas exigências.

E por fim, porque a “lua não fica cheia num dia” (e nós já sabemos disso), é fundamental dizer-lhes que as decisões que assumam não se encerram em si e que podemos sempre voltar atrás, mudar o rumo e recomeçar. Saber disto (e saber que nós sabemos disto), tira-lhes um peso enorme de cima e deixa-os mais tranquilos para fazer face ao momento com a paz e a segurança necessárias, para subir um degrau de cada vez.

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

avatar
wpDiscuz