Três mitos sobre a adolescência que todos repetimos.

“Quando ela chegar à adolescência é que vais ver…“ ou,
“Quem me dera ter um botão para o desligar durante esta fase…” ou ainda,
“Como te entendo, o meu também está na “aborrescência”

Quantas vezes não ouvimos já algumas destas frases, vindas de quem atravessa com os filhos a desafiante fase da adolescência. Quantas vezes não pensámos nós: “E agora, o que é que eu faço?”.

Estas e outras ideias sempre estiveram (e continuam a estar), muito associadas ao processo de desenvolvimento adolescente, não facilitando uma adaptação mais positiva dos jovens e das famílias a tudo o que de novo e único acontece.

A adolescência traz consigo mudanças biológicas, intelectuais, emocionais e sexuais importantes, que se traduzem em aquisições singulares no desenvolvimento humano, alterando quem somos, a nossa visão do mundo e a forma como nos relacionamos com os outros. Estas mudanças têm, de facto, um impacto profundo em toda a dinâmica familiar, com os necessários ajustes de quem está numa fase de “sopas e descanso” em relação às relações amorosas, ao círculo de amigos, à profissão – os pais, e de quem vive e goza o mundo pela primeira vez, conquista amizades, experimenta o primeiro amor, sonha planos para o futuro – os filhos. E é muitas vezes este desequilíbrio na balança dos valores e desejos de pais e filhos, que tantos conflitos provoca no relacionamento entre ambos, escurecendo as lentes através das quais se observam e dificultando uma comunicação mais próxima e mais empática.

Vejamos pois algumas das ideias que por aí circulam sobre a adolescência e que em nada facilitam a forma como nos relacionamos com os adolescentes das nossas vidas:

O mito da fase terrível.
A adolescência é uma fase de vida não só fundamental como absolutamente necessária. As transformações que nela acontecem são uma oportunidade única de desenvolvimento pessoal e social, de auto conhecimento, de definição de uma identidade própria, de construção da autonomia e pretendem preparar o indivíduo para a vida adulta, treinando competências práticas que lhes permitirão afinal, construir o próprio caminho, independente do dos pais.
Pensar neste período como um período difícil e quase indesejado, faz-nos temer a mudança, antecipando de uma forma negativa todas as conquistas que nela acontecem. E aquilo que pensamos, é aquilo que transparecemos e aquilo que muitas vezes contamina a comunicação com os nossos filhos, impedindo-nos de nos libertarmos de ideias feitas, e crescer.

O mito da imaturidade.
As últimas investigações sobre o desenvolvimento cerebral nesta etapa de vida permitem pensar os adolescentes como seres altamente adaptáveis e de uma sensibilidade única, preparados para lidar com todas as tarefas com que se deparam. Contrariamente ao que muitas vezes pensamos, na adolescência torna-se já possível fazer a avaliação dos riscos de um determinado comportamento (de uma forma muito próxima da dos adultos), sendo também já possível antecipar as suas consequências. O que aqui interfere na tomada de decisão, é a ponderação que fazem desses riscos, ou seja, o facto de atribuírem uma maior importância à recompensa que pode advir de um determinado comportamento, como por exemplo, obter a admiração dos amigos. Para além disso, a ideia de que não serão capazes de se safar sozinhos, quer no que se refere à gestão doméstica, quer no que se refere à concretização de projetos pessoais, apenas contribui para que se sintam efetivamente incompetentes e inseguros face às decisões que já se encontram, naturalmente, aptos a fazer.

O mito dos pais desnecessários.
Aviso à navegação: a adolescência pode significar alguma turbulência nas relações entre pais e filhos, mas é ela que lhes permitirá “ganhar espaço” e definir quem são, não significando contudo, que os pais deixem de ter um papel fundamental na vida dos filhos. A família constituirá sempre o modelo de identificação mais importante na vida das crianças e adolescentes e são as normas e valores por ela transmitidos que se assumirão como bússola na vida adulta, mesmo que sejam recebidas com uma saudável dose de contestação (desafio-te a garantir que nunca fizeste um rolar de olhos a uma frase dos teus pais, que acabaste por nunca mais esquecer, de tão certeira que se tornou…). As relações positivas na família, marcadas pelo equilíbrio entre autonomia adolescente e controlo parental, são os melhores preditores de bem estar e ajustamento emocional dos jovens, permitindo-lhes ainda a capacidade de lidar de uma forma mais segura e resiliente com os dilemas de vida com que se deparem.

Ajudar a crescer com sentido de honra e admiração, confiar em quem são e naquilo que serão capazes de fazer e estar presente, na maré calma e na tempestade, são afinal as verdades que lhes serão luz e força e espaço para ser. O resto, é ruído de fundo, que impede de ouvir tudo o que de tão fantástico trazem dentro…

 

Nota: E agora, se ainda te faltou um bocadinho para ficares convencido/a, podes deliciar-te com este vídeo. E acreditar. 🙂

É a saudade, meu amor…

Não fomos ao Madame Tussauds, não vimos o Big Ben, nem sequer assistimos à Troca da Guarda no palácio de Buckingham. Em vez disso, demorámo-nos nos pequenos almoços, matámos as saudades dos amigos, passeámos à chuva e comemos sandes no jardim. Fingimos que a nossa casa era ali, na construção de madeira do parque infantil e deixámo-nos ficar em cada lugar, com o sossego e o sentido de honra, típicos da primeira vez. Apanhámos um comboio para descer a sul. Sentámo-nos ao lado de uma portuguesa e julgámo-la inglesa. Calada e de sorriso cúmplice, ouviu-nos os disparates à “turista chico-esperto” até ao final da viagem, para depois nos dizer: “Vão para Bournemouth, certo? Já chegaram.” Saímos aos tropeços e às gargalhadas pela coincidência feliz. Matámos saudades outra vez, porque os portugueses estão em todo o lado e os que nos moram no coração não são disso excepção. Dormimos até tarde, ficámos à espera dos esquilos e fomos cheirar o mar bravo do atlântico. Cinco dias depois, voltámos a sentar-nos no avião e tu, com um olhar inquieto, disseste-me: “Já estou com saudades outra vez mãe…”

E ali, naquele segundo, antes de rumares ao sol, ao caminho para escola e aos legos espalhados no chão do teu quarto, eu soube que há em ti alma de viajante. E que é a saudade que te fará voltar, meu amor…

A minha Vera.

A minha Vera é força de vida. E de coragem.

Da irmandade adolescente foi ela que agarrou o sonho e o transformou em verdade, logo ali, quandos todas nós ainda suspirávamos pelo dia em que seríamos capazes.

Fomos levá-la ao aeroporto e depois da despedida, das cartas para ler no avião, do abraço apertado, da promessa de visita… ficámos a vê-la desaparecer nos corredores, de braço no ar e sorriso largo, cheio de esperança de que as lágrimas aguentassem até à primeira curva.

A Vera nunca mais voltou. Pelo menos para ficar.

Eu fui, voltei, fiquei. E aprendi a amá-la à distância, nas mensagens curtas, nos e-mails longos, na vontade dos telefonemas que não acontecem, na certeza dos verões e dos natais que se seguirão, apenas e só, para que voltemos a ter 15 anos mais uma vez…

A minha Vera é madrinha do meu filho e essa será sempre a minha maior prova de amor. Possibilitar a outra mulher um espaço próprio, único e tão especial, no coração de quem me tem por inteiro e para sempre. E quando ela chega é vê-los rir e brincar no chão, como se estivessem estado sempre assim. Essa é a sua maior prova de amor.

A minha Vera é força de vida. E de coragem.

E mesmo que o tempo passe e a distância às vezes me consuma pela vontade da amiga irmã, ela sabe (tal como eu), que na vida só se está, quando se é. E nós sabemos ser como ninguém, mesmo que seja preciso um avião para partilharmos um copo de vinho e brindarmos a cada disparate dito.

O meu parte esta semana, e vai saber a tanto…

“Um Bom não é uma boa nota?”

Uma amiga de quem gosto muito e que admiro imenso enquanto mãe, contou-me há uns dias uma história que considero deliciosa, pela forma simples, honesta e tão certeira, como que nos põe no nosso lugar.

A Sara, que está no 2º ano, fez um teste na escola. A professora, no dia de devolver as notas aos alunos, fê-lo em voz alta, para que todos ouvissem as notas de todos (vá-se lá saber porquê, mas isso “são outros quinhentos”…)

A Sara teve um Bom.

Ao chegar a casa, feliz com a conquista, partilhou com a mãe a nota recebida. A reação da mãe, fruto do impulso do momento, foi: “Então e a Mariana, que nota teve?”. Ao que a Sara respondeu prontamente: “Porquê mãe? Um Bom não é uma boa nota?”.

A mãe deu-lhe razão, pediu-lhe desculpa e abraçou-a com força. As duas cresceram por dentro nessa noite.

E assim, sem pedir licença e do alto dos seus 7 anos, a Sara deu-nos, à mãe e a mim, uma enorme lição. Uma lição sobre a vida e sobre tudo aquilo que é efetivamente importante preservar: a capacidade de acarinharmos quem somos e de celebrar os objetivos que alcançamos, sem viver na sombra de ninguém.

Não tenho nada a acrescentar a esta história.

Acho que ela se basta a si própria e não quero que palavras a mais, desviem a atenção das coisas grandes que ela ensina.

Eu, sou grata, por tudo o que a Sara me trouxe, quando tão corajosamente lutou, pelo melhor de si.

 

Não são “pós de perlimpimpim”, mas ajudam…

Sim eu sei… sou um pouco avessa a manuais de instruções mas, a pedido de muitas famílias, aqui proponho algumas pistas sobre as quais pode ser interessante pensar. Sobretudo, quem tem filhos assim a ficar para o crescido…

  1. Esquece tudo o que pensaste que seria ser mãe/pai de um/a adolescente. A realidade supera todas as expectativas.

  2. Habitua-te ao humor imprevisível, aos comportamentos impulsivos, à alterações emocionais, à necessidade de uma maior privacidade.. E respeita-os. Fazem parte do processo de crescimento e, como tudo, têm uma explicação. Neste caso, é neurológica.

  3. Não insistas em querer que concordem com tudo o que dizes. Aliás, é até desejável que não o façam. Uma das características mais interessantes da adolescência é a procura de significados próprios, a necessidade de contestar, o espírito pouco conformista… São estes movimentos que lhes permitirão construir a sua própria identidade e definir-se enquanto pessoas.

  4. Conversa muito, ou pelo menos, mostra que estás por perto e que podes ouvir, sem pré-julgamentos (mesmo que a vontade de dizer meia dúzia de coisas te roa por dentro). Isto não quer dizer que não dês a tua opinião e que não te faças ouvir, mas fará sentir que estás disponível e que contigo poderão contar, mesmo que as coisas corram mal. Incondicionalmente.

  5. Se já o eras, mantém-te beijoqueira/o (mas com discrição e sentido de oportunidade). Há sítios proibidos como o portão da escola ou os jantares de amigos mas, mesmo que o contestem, não há nada que lhes saiba tão bem como um abraço ou um miminho no momento certo. Tenhamos nós 5, 15 ou 50 anos.

  6. Janta com os teus filhos. Vários estudos demonstram que as refeições em família funcionam como um ritual protetor, relativamente à adopção de comportamentos de risco na adolescência.

  7. Participa em atividades comunitárias. Vai ao teatro, a concertos, exposições… E leva-os contigo. Todas as experiências culturais e artísticas a que possam ter acesso na infância e na adolescência, contribuirão para o autoconhecimento e para o seu desenvolvimento pessoal e social.

  8. Incentiva-os sempre a avançar para um desporto. Existe uma associação muito positiva entre a prática desportiva e o desempenho escolar, sendo a primeira uma excelente forma de libertação das tensões acumuladas e de estimulação da atenção, da reflexividade… Para além disso, a maioria dos desportos não se compadece com estilos de vida pouco saudáveis, o que só por si, é um fator extremamente positivo.

  9. Não queiras ser amiga/o dos teus filhos (leia-se: “não queiras substituir os amigos dos teus filhos”). Os pais e mães demasiado cool e intrusivos, deixam os adolescentes confusos. É fundamental que cada um se assuma no seu papel e não “misture as águas”. A referência de um pai ou de uma mãe é fundamental como modelo de responsabilidade, apoio e sabedoria para lidar com a realidade. Para além disso, existirão sempre coisas que se contam aos amigos e não aos pais. E ainda bem.

  10. E por último, mas não menos importante, CUIDA DE TI. Tu és, e serás sempre, o principal modelo dos teus filhos. É contigo que aprenderão a amar a vida, a relacionar-se com outros, a querer o melhor para si, a não desistir… Se fores feliz, ensinarás a sê-lo também e a não abdicar disso.

E chegados ao fim, são 10.

Que não sejam mandamentos, até porque não acredito em relações imaculadas e perfeitas. Acredito sim, que as relações crescem nas suas imperfeições, desde que tenhamos a coragem de as reconhecer e aceitar em nós, mantendo assim viva a certeza, de que todos os dias são dias a estrear e por isso, dias bons para aprender.

Aprender a ser pais de coração cheio, para aqueles que serão, sempre, a melhor parte de nós.

Aos 38…

Há uns dias, depois de mais um desabafo sobre a ainda necessidade de aprender a ser mais contida na forma como me expresso, alguém de quem gosto muito, olhou para mim e disse: “Tu falas com o coração.” Com um suspiro de alívio calei-me e aceitei, sem censura, a coisa mais bonita que me podiam ter dito.

É por isso que a aceitação, de quem sou e da forma como o sou, me parece o rumo certo para honrar o oitavo dos trinta e lhe estrear os passos.

E mesmo que eu já traga a vida vincada no rosto, agora sei que é o coração que fala, com o ímpeto e o desejo próprios de um adolescente. E isto é o que me basta, para gostar tanto de estar aqui…

“Eu construí a casa.

Primeiramente fi-la de ar.
Depois hasteei a bandeira
e deixei-a pendurada
no firmamento, na estrela,
na claridade e na escuridão.

Algo acontece e a vida continua.

A casa cresce e fala,
aguenta-se nos pés,
tem roupa pendurada num andaime,
e como pelo mar a primavera
nadando como uma ninfa marinha
beija a areia de Valparaíso.

Não se pense mais: esta é a casa
tudo o que lhe falta será azul,
agora só precisa de florir
e isso é trabalho da primavera.”

Pablo Neruda, in Plenos Poderes

“O meu filho não tem motivação para nada!”

Esta é uma das frases que mais oiço por parte de pais de adolescentes.

Do lado de cá, compreendo-lhes a angústia, tal como sou solidária com o lado de lá, que usa a inércia para mascarar o medo, a vergonha ou a incerteza de não se saber bem quem se é ou de não se estar à altura daquilo que esperam que se seja.

Quando nos nasce um filho, nasce-nos um sem fim de desejos, de projetos, de finais felizes, que servirão como uma luva (achamos nós) àquele pequenino ser. Nasce, ainda, a oportunidade única de nos redimirmos do nosso lado lunar, esperando que deles, seres de luz, venha sempre sol.

À medida que crescem e se tornam gente, vão dando pequeninos passos no sentido de nos ensinar a ajustar expectativas, a tropeçar nas certezas que criámos e a perceber que afinal por ali mora, tal como em nós, a lua, o sol e até a chuva intensa. E é precisamente aqui, nesta espécie de microclima tropical que é a adolescência, que tudo aquilo que sonhámos que seriam, dá lugar a tudo aquilo que podem vir a ser e à necessidade de o perceber através de um caminho próprio, único e irrepetível.

O que se segue, é muitas vezes uma dança difícil entre pais e filhos, marcada pela tensão natural entre quem exige e quem é exigido e tantas vezes, pelo desejo secreto de que as coisas pudessem resolver-se outra vez com um pronto “Anda cá que a mamã ensina…”.

“E agora?” – perguntam vocês. “Como é que se ajuda a sair da tempestade, molhados, mas com vontade de enfrentar as próximas?” E eu respondo, outra vez: “Sendo porto de abrigo”, sempre que possamos tentar os passos seguintes:

Dar espaço. Conviver com um filho que não parece interessar-se por nada, que não estuda, que não cumpre, que se perde nas horas do dia, pode ser extremamente desafiante para os pais, correndo-se o risco de transformar a sua inércia no tema de conversa preferido de toda a família (não que o prefiram, mas ele está sempre lá). Passa então a falar-se sobre isto constantemente, à refeição, na chegada a casa, antes de dormir, no carro à porta da escola… E com o tempo, a desmotivação passa a definir a sua atitude geral perante a vida e o que era passageiro, instala-se e perdura. É por isso importante desligar o modo “sermão” e centrarmo-nos naquelas que são as suas características positivas, valorizando todas as oportunidades que possam tornar-se acendalha para lhes atear a chama outra vez. E é importante, sobretudo, deixar de falar deles e passar a falar com eles.

Compreender. A falta de empenho é muitas vezes apenas a parte visível do iceberg, constituindo um recurso para se defenderem de algo com o qual não se sentem capazes de lidar: Não liga nenhuma à escola porque acredita que os outros serão sempre melhores do que ele, não investe no exame final porque acha que nunca vai conseguir ter uma nota que satisfaça a família, e assim, por evitamento, se vão confirmando todas as profecias, as dos pais e as do próprio. É assim fundamental compreender que a desmotivação pode ser um sinal de alterações emocionais ou de uma baixa auto estima que, alimentadas por sentimentos de incapacidade ou de maior vulnerabilidade, acabam por impedir os jovens de explorarem as suas capacidades e de correrem atrás daquilo que desejam. Ouvir o que tenham para dizer (evitando o rótulo fácil), procurar ser empático com o que estão a sentir e partilhar quem fomos em momentos semelhantes, pode ajudar a desbloquear emoções associadas ao momento de impasse, tornando-as menos pesadas e logo, mais passíveis de transformação.

Exigir. Compreender o que sentem e os desafios que atravessam, não significa que sejamos coniventes com a distância afetiva que aumentam sempre que chegam tarde a casa por sistema ou sempre que evitam a todo o custo qualquer programa de família. Na adolescência, a experimentação de uma maior autonomia e independência, natural e altamente desejável, não pode sobrepor-se em larga escala ao tempo de todos e às regras de funcionamento do espaço familiar (horários, rotinas, divisão de tarefas…). Quer isto dizer que são de compreender e tolerar algumas escapadelas, mas o essencial deve manter-se, por mais contrariedade que às vezes provoque.

Acreditar. Saber que a adolescência é um período de  aprendizagens riquíssimas e de aquisições determinantes para o resto da vida, ainda que às vezes a navegação pareça fazer-se ao sabor do vento, ajuda a não perder de vista a importância de valorizar e a incentivar todos os pequenos passos que possam dar em direção ao crescimento. Estimulá-los a que se envolvam ativamente nas diferentes alternativas de solução para os problemas com que se deparem, fá-los também sentir também que confiamos na sua capacidade para superar todos desafios, ajudando a agir.

Quando um filho nos diz que não tem motivação para nada, pode bem estar a dizer-nos que precisa que o ajudem a compreender-se melhor, que precisa que olhem para si tal como é (e não como as histórias que se contam sobre ele) e que precisa, enfim, que lhe digam, muitas e muitas vezes, que a vida vale a pena e que neles mora tudo o que é preciso para conquistar o mundo. Ainda que o passo firme e o brilho no olhar possam vir depois, e se instalem, para não mais os deixarem sair.

Adolescentes fomos nós.

Se querem ver-me perdida nas horas é darem-me gente com histórias dentro para contar.

Foi assim naquela noite. Depois do pão, do queijo e do vinho sobre a mesa, depois da partilha dos desaires da semana e do ímpeto aos sonhos e aos projetos para a velhice, encontrámos, ao balcão, o António (nome fictício).

Não mais dali saímos. Não antes das histórias nos transbordarem a alma e nos vincarem a certeza de que uma das grandes riquezas da vida, são as pessoas.

Falou-nos da mãe e da gratidão que lhe tem. Falou-nos da mota e de quanto valiam duzentos contos na altura. Falou-nos dos filhos e do que um pai sofre quando os vê crescer longe. Falou-nos da mulher companheira das tempestades a que têm sobrevivido. Disse-nos, com um orgulho imenso (dela e de si próprio), que desde que a mulher tinha voltado a estudar, finalmente tinha aprendido a cozinhar e a passar as camisas a ferro. “Ainda não ficam grande coisa, mas vão ficando cada vez melhor”. Pediu-nos truques para que a pele do peixe assado na brasa não ficasse agarrada à grelha. Partilhou outros, que aprendeu com a vida. Pediu-nos que não tivéssemos só um filho. “Porque ser filho sozinho no mundo é uma tristeza sem fim.” Falou-nos de tudo e falou-nos de nada, porque a vida é feita das pequenas coisas e do amor com que nos lembramos delas.

E assim, o António, que nunca nos tinha posto a vista em cima, olhou-nos como já poucas pessoas o fazem e ainda nos disse: “Vocês são mesmo boa gente. Eu sei, porque sinto.”

Soubesses tu António, que por nos teres sorrido ao balcão e teres pedido mais um copo de vinho para encetar a conversa, mudaste a pessoa que eu era e tornaste-a substancialmente melhor.

Tudo, pela honra de te poder trazer comigo.

Nesta história, de Super não temos nada.

Há uns tempos, num dos grupos de facebook a que pertenço, alguém partilhou um vídeo que mostrava uma criança sob o efeito de uma anestesia e a conversa alucinada que mantinha com os pais. Olhos vidrados, expressão apática, discurso confuso e desorganizado. Falava sobre aliens, perguntava onde estava, deixava a cabeça cair para a frente, e ria, ria sem parar, longe de saber o que lhe estava a acontecer. Os pais, conscientes do sítio onde estavam e da origem do comportamento do filho, tiveram o feliz impulso de filmar o episódio e a brilhantíssima ideia de o partilhar na internet. Tornou-se viral. Vá-se lá saber porquê.

Ou talvez se saiba.

Talvez o vírus seja o mesmo que carregou a página oficial do programa Super Nanny de comentários a parabenizar a iniciativa, agradecendo a boa hora em que apareceu a ama que corrige e resolve, pedindo vida longa às histórias das crianças que se seguem, excitado com a possibilidade de continuar a espreitar pelo buraco da fechadura da vida dos outros. Aos muitos que se insurgem contra (tal como eu me insurgi contra o vídeo do miúdo anestesiado), acusam de falsos moralismos, de serem responsáveis pela má educação dos miúdos de hoje, de se meterem com decisões que só aos pais cabem, de lançarem polémica sob um formato que foi sucesso em tantos outros países. E outras pérolas mais.

E debaixo do fogo cruzado dos discursos inflamados, do ataque cerrado, das acusações sem fim, está a Mariana, que mesmo tendo sido batizada de “furacão” não conseguiu usar a força para desaparecer dali e deixar os adultos no meio do caos que os próprios criaram.

É, apenas e só, a Mariana que me interessa. É a ela que devo respeito, que devo colo, que devo proteção. Era nela que alguém devia ter pensado antes de ter pensado em dinheiro, em audiências, em projeção profissional.

Saiu-nos pela culatra o propósito desmedido e pelo caminho levámos a Mariana que não tem culpa nenhuma de que mandem nela. A mãe, a Nanny e o mundo inteiro.